Metas ou sonhos?

 Reg Connolly

 "Eu vou ser um grande artista!"

 Edwin ia ser um sujeito muito bem-sucedido. Nesses cinco anos em que eu o conheço, ele ia ter um grande negócio numa área, depois em outra e aí numa outra. Ele tinha grandes ideias e a riqueza da sua visão era sempre impressionante.

 Ele sabia quem seriam seus clientes, onde estaria localizado, como iria fazer propaganda do seu empreendimento, quanto ia ganhar etc. Ele sabia exatamente que mudanças o sucesso faria no seu estilo de vida.

 Porém, cada vez que ele chegava perto de completar seus planos, ele mudava de opinião e começava a se focar num empreendimento diferente.

 Ele também ia voltar a ficar em forma – exatamente como era quando adolescente. Além disso, ia voltar a jogar rúgbi. Também ia perder peso. E ter uma vida social melhor. Assim como uma relação estável. De fato, sua vida ia ser formidável – um dia...

 O problema era que Edwin sempre "ia" viver a vida – e provavelmente ainda está indo.

 Uma meta ou um sonho?

É ótimo ter sonhos. Desejos sobre ser bem-sucedido, ter uma vida social melhor, ter uma boa casa, estar em forma, etc. são excelentes – contanto que você saiba que eles são apenas isso, sonhos – para não serem confundidos com planos, metas ou objetivos.

 Se você quer realmente alcançar as suas metas, existem algumas peças que você precisa ter no lugar certo para distinguir o que é um sonho e o que é uma meta ou objetivo – para que você não caia na armadilha de estar sempre "indo" viver a vida:

 (1) As metas são claramente definidas

 Sonhos são fluídos e vagos. Na meta você detalhou precisamente o que quer, porque quer e como vai fazer para obtê-la. Além disso, você analisou a sua meta para determinar como ela é atraente e realista.

 (2) As metas são visualizadas "dissociadas"

 Nós vivemos em nossos sonhos ou fantasias – vendo, ouvindo e sentindo como se eles estivessem acontecendo agora. As metas são dissociadas. Isso significa que nós nos visualizamos desfrutando a meta lá adiante, como uma foto ou um filme, de modo que nos sentimos puxados nessa direção.

 Se nós nos "associamos com" as nossas metas ou vivermos nelas, nós ficaremos com a sensação (embora com menor intensidade) de que já atingimos a meta. Isso significa que haverá pouca motivação para realmente atingi-la! Nós podemos desfrutar a ilusão de termos chegado sem ter tido que viajar – mas é uma ilusão!

 (Casualmente, um dos pontos fortes da PNL é como ela distingue quando é melhor ter uma ideia associada ou uma ideia dissociada.)

 Quando você está testando uma ideia pela primeira vez, é mais conveniente se associar a ela. Você fantasia viver o seu sonho, o que lhe dá a oportunidade de verificar como você vai se sentir e se o sonho é suficientemente atraente. Porém, assim que você tiver selecionado o objetivo que você acha apropriado para você, é hora de se dissociar dele e de "se enxergar" nele. Isso cria a sensação de ser arrastado nessa direção, o que nós chamamos de motivação.

 Vamos dizer que você queira substituir a raiva pela calma, ou perder peso, ou se tornar um ex-fumante. Inicialmente imagine como será ótimo se sentir mais calmo ou mais leve, ou livre do cigarro – é como ter uma prova de como será a refeição.

 Mas se você continuar a fantasiar como isso será ótimo, não haverá motivação para realmente "fazer" alguma coisa para ficar mais calmo, mais leve ou ficar sem fumar!

 Você já estará desfrutando das sensações por ter atingido o objetivo – mesmo que isso seja só uma ilusão.

 Então você tem que parar e se mover para a próxima fase. Você tem que sair da fantasia e ver como você vai parecer visto do "lado de fora" quando tiver alcançado a sua meta. Isso então se torna a imagem da sua motivação.

 (3) As metas estão ligadas a valores

 Inúmeras vezes, nós perseguimos metas para o nosso estilo de vida porque nós compramos essas ideias do que é certo para nós de outras pessoas! Nós sofremos tanta pressão delas para mudar que acabamos cedendo e começamos a mudar.

 Mas tais objetivos provavelmente não irão prosperar porque a meta não está ligada com a nossa conduta pessoal ou com os nossos valores internos. Está faltando você definir o que está nesse objetivo para você!

 Na sua forma mais simples, os nossos valores são as sensações que desejamos ter e o que queremos nos esquivar de experimentar. São os valores que nos movem em direção a algo ou nos afastam de algo.

 As pessoas podem desejar substituir a raiva pela calma porque elas querem se sentir como pessoas controladas, serem um modelo melhor para seus filhos, poderem controlar o seu próprio humor, etc. Ou elas podem perseguir esse objetivo para evitar se sentirem culpadas de aborrecer os outros, ou parecerem detestáveis ou imaturas quando estiverem de mau humor, ou para evitar serem preteridas numa promoção porque são percebidas como não sendo muito estáveis.

 A pessoa com sobrepeso pode desejar se tornar mais leve para se sentir mais saudável, ser capaz de vestir roupas diferentes, ou para ser capaz de caminhar altivamente na praia durante o verão. Ou pode desejar se afastar de ficar embaraçada pelo seu tamanho, ou de ficar sem fôlego, ou incapaz de vestir roupas modernas.

 O fumante pode desejar parecer mais confiante, cheirar melhor ou se sentir mais saudável. Ou quer evitar parecer patético quando, para poder fumar um cigarro, tiver que ficar na calçada, com frio ou com chuva, ou sempre ter que verificar se tem cigarros o bastante para durarem até o outro dia de manhã.

 Como consequência, nós normalmente temos uma mistura de motivadores – olhamos o que desejamos sentir e também consideramos o que desejamos evitar sentir. Então, quando detalhar a própria meta, tenha certeza de que você lista o que você vai obter ao atingir a meta e o que irá evitar.

 (4) As metas se ajustam à sua própria imagem

 Se, durante muito tempo, você sempre intimidou as pessoas com o seu temperamento, é um grande passo trocar de repente e se tornar uma pessoa mais calma, que discute e negocia, em vez de falar alto ou exigir. Se você tem sido uma pessoa que fuma um maço de cigarros por dia desde a sua juventude, muitos aspectos da sua autoimagem estarão estreitamente associados ao fumo.

 A nossa autoimagem é a planta inconsciente da nossa percepção ao que corresponde e ao que não corresponde com quem você é. Quando você resolver fazer significantes mudanças no estilo de vida, é importante atualizar como você se percebe ao substituir o velho você pelo novo você, pois caso contrário, a mudança será uma luta. Faça isso realizando muitos filmes mentais detalhados do novo você em diferentes cenários, e certifique-se de que você faz essas imagens atraentes e convincentes.

 Se você quer deixar de ser uma "pessoa furiosa", imagine-se lidando com as situações difíceis com mais eficiência – no trabalho, enquanto dirige, em casa, socialmente, etc. – e permitindo que as pessoas ‘escapem impunes’.

 Se você quer deixar de ser uma "pessoa gorda", comece vendo você fazendo exercícios e gostando, vestindo roupas diferentes, se encontrando com pessoas parecendo mais magro e mais vigoroso.

 Se você quer deixar de ser um ‘fumante’, comece a visualizar cenários nos quais você está à vontade sem a muleta da nicotina, sentindo-se confortável com pessoas a sua volta que ainda são viciadas, e desfrutando da sua recém descoberta vitalidade.

 (5) Metas são ligadas a planos de ação

 Sonhos são fantasias à deriva que não estão ligados a um plano. Metas ou objetivos têm um plano de ação realista e com tempo determinado. Você determina o que você irá fazer e quando irá fazê-lo. O seu plano de ação detalha o que você irá investir na sua meta e quando irá fazer isso.

 E agora?

 Digamos que você deseje perseguir uma meta ou um objetivo. Como você começa a aplicar essas ideias?

 A impaciência pode ser um perigo. Muitas vezes, nós estivemos pensando em "ir" fazer algo por tanto tempo, que quando decidimos fazer, nós nos tornamos impetuosos. Isso realmente funciona para algumas metas e para algumas pessoas, mas para a maioria de nós é melhor fazer uma pequena preparação.

 Agora mesmo, nós estamos a alguns dias do Ano Novo. Essa é uma época em que muitos ainda estão pensando ou ainda se debatendo com as suas resoluções para o Ano Novo. Porém as resoluções de Ano Novo podem ser contraprodutivas.

 Pense nisso. Os primeiros dias do Ano Novo tendem a ser um período bastante conturbado. Muitas pessoas ainda estão no meio dos feriados de Natal e, certamente, o primeiro dia de janeiro não é uma boa data para alguém perseguir qualquer resolução por causa da maneira que estará se sentindo depois das celebrações da noite anterior. E, além disso, muitas pessoas surgem com as suas resoluções para o Ano Novo no dia 31 de dezembro. É quase como se elas sentissem que "Eu tenho que ter uma resolução".

 Fazer uma mudança significativa na sua vida, que é do que trata a maioria das resoluções nessa época do ano, exige muito mais reflexão do que isso, se você realmente estiver sendo sincero em realizá-la.

 De qualquer maneira, fazer resoluções no impulso do momento e manter-se fiel a elas só por uns dias é contraprodutivo. Você tem sua pequena explosão de entusiasmo, aí a realidade se manifesta e você volta para os velhos hábitos. E, como consequência, na realidade você fica numa situação pior do que antes porque a sua confiança na sua capacidade de mudar e a sua autoestima terão sofrido um sério golpe.

 Portanto selecione com cuidado o seu objetivo. Conduza-o pelas cinco etapas acima – e, especialmente, nesse estágio inicial, pela etapa da autoimagem.

 Viver uma vida de sonhos – estar sempre "indo" fazer algo e nunca fazer ou nunca completar –não é uma receita de felicidade ou de paz de espírito.

 O título desse artigo veio da canção Act Naturally dos Beatles, e por isso vamos terminar com uma citação do Ruby Tuesday dos Rolling Stones: "Não há tempo a perder, eu escutei ela dizer, você tem que agarrar o seu sonho antes que ele escape…"

 "Melhor viajar na esperança?"

 Diz o adágio popular que é melhor viajar com esperança do que chegar ao destino. É um pensamento estranho, visto que parece sugerir que, como o eterno otimista Mr. Micawber do romance David Copperfield de Charles Dickens, nós deveríamos passar pela vida simplesmente esperando algo acontecer, em vez de selecionar objetivos e persegui-los.

 Mesmo antes de me tornar envolvido com a pragmática e prática PNL, eu sempre fui razoavelmente suspeito em relação a essa coisa muito exaltada sobre esperança. De acordo com o meu dicionário, esperança é um "sentimento de desejo por alguma coisa e confiança na possibilidade da sua realização".

 Eu concordo que, quando você está numa situação financeira terrível e impedido de fazer alguma coisa para se ajudar, esperança é melhor do que desespero. Mas, em geral e na vida normal do dia a dia, viver na esperança é um processo passivo e questionável – a menos que ele seja suportado por um curso de ação, e nesse caso não é esperança, mas crença.

 Veja bem, esse não é um pensamento muito original. Olhe o comentário bíblico "esperança postergada resulta em coração doente, mas quando o desejo chega, é uma árvore da vida". Como a maioria das citações bíblicas você pode ler e entender o que quiser. Para mim essa diz que esperar passivamente alguma coisa que irá acontecer não é apenas inútil, provavelmente vai conduzi-lo ao desespero enquanto que, por outro lado, desejar algo e perseguir um plano de ação para obtê-lo é uma opção mais saudável.

 O processo da PNL - Boa Formulação de Objetivos

 Agora nós vamos olhar como dar seguimento à etapa 1 usando a fórmula da PNL para assegurar que as metas sejam esclarecidas e construídas cuidadosamente. Esse processo é normalmente chamado de "Boa Formulação de Objetivos" porque quando a sua meta ou resultado ou objetivo passa por esse processo, ela certamente será "bem formulada" e mais provável de ser atingida.

 Para tornar o seu objetivo bem formulado, você o submete aos seis estágios seguintes que o qualificam.

 1. Enfoque o que você realmente quer – não o que você não quer

 Ele deve ser o que você realmente quer – em vez do que você não quer. Em outras palavras, ele deve ser expresso no positivo.

 O que motiva uma grande parte das pessoas a mudarem não é a atração do resultado, mas o desconforto do atual estado das coisas!

 A dificuldade com isso é que quanto mais você enfoca o que não quer, mais fixado você se torna. A pessoa com raiva começa a ver razões para ficar com raiva em tudo que é lugar. A pessoa com sobrepeso começa a se fixar na comida e na necessidade de se sentir satisfeita. O fumante vê as pessoas desfrutando do cigarro em toda parte e fica convencido que a vida irá perder todo sentido se ele não puder fumar nunca mais.

 Se a sua meta é "Eu não quero perder a calma", você se foca continuamente em NÃO ficar brabo em vez de ficar calmo ou moderado ou de boa índole e amável e desfrutando de grandes relacionamentos com aqueles perto de você.

 Se a sua meta é "Eu não quero continuar gordo", você estará continuamente pensando em você como gordo em vez de focar a sua atenção em ‘você’ mais magro, mais saudável e mais alegre.

 Se a sua meta é "Eu não quero fumar cigarros", a sua imaginação está continuamente sendo alimentada com mensagens sobre cigarros – o que alimenta o desejo por um cigarro – em vez do que você estará experimentando se estiver livre do fumo!

 Objetivos envolvendo negação precisam ser reformulados de uma maneira positiva, por exemplo: "Eu quero ser capaz de permanecer calmo nessas situações" ou "Eu quero alcançar esse peso nesse período de tempo" ou "Eu quero gozar de melhor saúde e aumentar a autoestima me tornando um ex-fumante".

 2. Tenha uma maneira de saber quando você chegou lá

 Essa é a etapa da "evidência". Você deve ter uma imagem sua bem clara de você tendo alcançado esse objetivo. Isso dará à sua mente e, em particular, ao sistema de ativação reticular, um alvo para concentrar a atenção.

 A mente procura dar vida aos seus sonhos – por essa razão o conselho de Ralph Waldo Emerson: "Tenha cuidado com o que você prende no seu coração, porque certamente isso será você." Se você dá muita atenção aos pensamentos de ser saudável, provavelmente, é assim que a sua vida vai andar. O mesmo se aplica se você foca os pensamentos em ficar pobre.

 Se você pensa em raiva e em situações que despertam raiva, você está propenso a continuar sendo uma "pessoa furiosa". Se você pensa muito sobre a comida que não deve comer, você vai desejá-la ainda mais. Se você passa muito tempo tentando "não" fumar um cigarro ou não pensar no cigarro, você simplesmente irá atiçar o fogo do seu desejo ardente.

 Mas como você não consegue NÃO pensar em alguma coisa – você tem que ter pronto um pensamento de substituição ou uma série de pensamentos. Esses serão os pensamentos de como você quer ser. Se você não os tiver, é improvável que você atinja a sua meta. É mais ou menos como tentar caminhar para o seu futuro enquanto olha para trás!

 Nos três exemplos que nós selecionamos você deve se enxergar como se estivesse olhando uma fotografia ou assistindo um vídeo ou vendo você mesmo. Isso deve ser dissociado, o que significa que você pode ver o seu rosto ou a sua cabeça na imagem.

 Veja você mesmo tendo substituído aquelas velhas reações raivosas por atitudes calmas, com mais humor, mais razoáveis. Ou uma imagem clara de você mesmo desfrutando por ter atingido um peso ou tamanho mais saudável e mais agradável. Ou se ver apreciando os muitos benefícios de ser alguém que costumava fumar.

 3. Saiba quando e onde você quer tê-lo e onde você não o quer

 Também é útil especificar onde você quer ter esse resultado e onde não quer. Por exemplo, você pode especificar que quer ter esse resultado para se sentir mais calmo numa situação particular.

 Por outro lado, você pode querer estar calmo em todas as situações e, nesse caso, simplesmente declare isso. O mesmo se aplica a sentir-se mais leve e mais magro ou se sentir livre do cigarro e desfrutar de uma saúde melhor.

 Contudo vamos dizer, por exemplo, que a sua meta seja ser mais assertivo. Você pode querer ser mais assertivo em algumas situações e não em outras. Se a sua meta é ficar mais relaxado, você pode querer isso em casa ou no trabalho – mas você ia querer isso no campo de futebol ou numa festa animada?

 4. Assegure-se de que é algo que "você" pode atingir!

 Muitos sonhos permanecem sonhos porque eles exigem que outras pessoas mudem. Exemplos podem incluir: "Eu quero ser amado", "Eu quero ter um melhor relacionamento", "Eu quero ser popular".

 Todos perdem a validade porque exigem que uma outra pessoa mude o comportamento dela – e isso não é uma meta – é um desejo ou um sonho! Você não pode forçar outros adultos a sentirem sensações ou a se comportarem de uma determinada maneira (apesar de que muitas pessoas que ficam furiosas não parecem perceber isso). Você pode influenciá-las, negociar com elas, argumentar com elas ou seduzi-las, mas isso é tudo – elas ainda têm a palavra final.

 Para ser "bem formulado", um resultado precisa estar dentro do seu campo de influência. Você não pode fazer alguém lhe amar, um relacionamento exige input de todos os participantes e a sua popularidade ou a falta dela não é algo que você possa influenciar diretamente, já que é dependente do gosto daqueles com quem você gostaria de ser popular.

 Voltemos aos nossos três exemplos. Ficar mais calmo deve ser alcançado como resultado dos seus próprios esforços. Isso significa que você deve ser capaz de permanecer mais calmo em situações que anteriormente seriam irritantes, mesmo que todos continuem a se comportar exatamente da mesma maneira. Tornar-se mais magro ou mais leve deve incluir a capacidade de ser capaz de controlar a sua comida, mesmo que as pessoas à sua volta continuem a comer muita comida que engorda. O seu futuro livre de fumaça deve incluir a capacidade de ficar confortável mesmo que outras pessoas à sua volta estejam fumando cigarros.

 A segunda parte dessa etapa particular do processo é que você deve explicitar o que você precisa fazer para transformar sua meta em realidade – você deve detalhar o seu plano de ação.

 5. As vantagens e as desvantagens

 Identifique tanto as vantagens como as desvantagens de fazer essa mudança. Quando nós decidimos atingir algo desejável, muitos de nós tendem a se hipnotizar com como a vida será perfeita quando alcançarmos isso.

 Isso não é realista. Nenhuma simples mudança no estilo de vida pode fazer a vida quase perfeita. E, se nós não avaliamos realisticamente o lado positivo e o negativo de tentar e alcançar um objetivo particular, isso provavelmente vai impedir de atingi-lo – ou de desfrutar dos benefícios assim que o atingirmos.

 Sim, sem dúvida, detalhe todas as vantagens que irão resultar ao alcançar o seu resultado – esse é um exercício altamente motivacional. Mas, além disso, detalhe todas as desvantagens ou o lado negativo ao procurar atingir o resultado. Vamos olhar os nossos exemplos.

 Almejar ser mais calmo nas situações que anteriormente o irritavam, pode significar que você não terá a satisfação de ver outra pessoa intimidada pelo seu comportamento. E isso pode significar que você vai permitir que a outra pessoa "se dê bem" quando ela não corresponde aos seus padrões ou quando se comporta de uma maneira que você desaprova.

 Atingir um peso mais saudável provavelmente terá que incluir comer menos, ter que esquecer as comidas favoritas, ter que se exercitar em horas inconvenientes e toda uma série de outras desvantagens.

 Ficar mais saudável e livre do cigarro vai envolver desejos físicos e desconforto por uma ou duas semanas. Também envolve desejos psicológicos que podem durar, se bem que numa intensidade decrescente, ainda por um bom tempo.

 Ao detalhar e tomar conhecimento das vantagens e desvantagens de antemão, você aborda a situação realisticamente, sabe o que esperar, e estará mais apto a manter e desfrutar os benefícios do seu sucesso.

 6. Faça-o valer a pena

 O seu objetivo deve estar ligado aos seus próprios valores pessoais. Isso significa que você deve saber "o que existe nele para mim". Pense nos seus valores como sendo as sensações que irá sentir como resultado de alcançar o seu objetivo e, isso é o mais importante, as sensações indesejáveis das quais estará livre ou irá evitar sentir como resultado de ter alcançado o seu objetivo.

 Liste esses valores/sensações com um certo grau de detalhe – concentre seus esforços para conseguir pelo menos 4 ou 5 de cada um, isso é, aquelas sensações que você quer sentir e aquelas que quer evitar sentir como resultado de ter alcançado esse resultado.

 Isso não dá muito trabalho…?

 Algumas pessoas têm me comentado que esse processo parece dar muito trabalho. É, ele exige um pouco de reflexão e de cuidado para criar um resultado que seja claro e atingível. Você pode levar uma hora ou três para passar por todo o processo. Mas se o seu objetivo não for merecedor dessa reflexão, será que, antes de mais nada, ele merece ser perseguido?

 Fazendo-o dessa forma, demora um pouco mais de tempo e exige um pouco mais de preparação, mas essa preparação faz com que seja muito mais fácil atingir o objetivo, já que em vez de ter "duas opiniões sobre isso", o processo irá focar a sua mente e a sua energia e irá permitir que você disponha dos seus recursos e da sua motivação para atingi-lo.

 A compensação

 Ter um objetivo claro e cuidadosamente definido aumenta significativamente a probabilidade de que você irá alcançar a sua meta. Dessa maneira ou definindo o seu objetivo, ele deixa de ser um sonho para ser um objetivo que se deseja atingir.

 Nós usamos esse processo de esclarecimento do objetivo nos nossos seminários e, mais tarde, as pessoas relatam, de modo variado, que elas acreditam mais na meta e na sua capacidade para alcançá-la, que elas podem vê-la mais claramente, que elas sentem-se mais focadas nela, que ela parece mais realista, e que elas se sentem motivadas para ir atrás dela.

 Tenha esperança, se você precisar, mas planeje e aja, também!

 Benjamin Franklin sugeriu que "Aquele que vive na esperança, irá morrer de jejum". E alguns anos mais tarde, um dos instigadores da Ulster Orange Order, o tenente coronel Blacker, escreveu um poema no qual ele exortava os soldados a adotarem uma abordagem cautelosa no futuro: "Coloquem a sua crença em Deus, meus meninos, e conservem seca a sua pólvora"...

 Reg Connolly é Trainer Certificado e Master Practitioner de PNL, treinador de administração e de vendas.

 Esse artigo está no site Pegasus NLP Training com os títulos "Goals or Dreams?" (1) e "Goals or Dreams?" (2)

 Tradução JVF, direitos da tradução reservados.

Você está aqui: Home AUTOESTIMA Metas ou sonhos?