O equilíbrio entre a liberdade e a ligação nas relações íntimas

 "Que sua individualidade fortaleça o seu amor"

Linda Tobey, PhD

Numa noite chuvosa de verão, em uma cidade sobre as montanhas do Colorado, eu estava entre três participantes de curso de Master Practitioner em PNL. O curso tinha a duração de um mês, e realizou-se sob a forma de residência. Chegamos encharcados pela chuva e juntamo-nos ao grupo de residentes que abarrotava a casa onde estávamos alojados, para ver o famoso filme "O Rapto da Noiva", que termina com um voto de casamento: "Que sua individualidade fortaleça o seu amor."

Com um aperto no estômago, respirei profundamente e percebi imediatamente: "É isso!" Este voto matrimonial capturou a essência de meu projeto de aprendizado nesse treinamento.

Que qualidade especial podemos adquirir ou melhorar, e que faria uma grande diferença na realização de nossa vida? Durante o treinamento de Master Practitioner, tivemos exatamente essa oportunidade, não somente de identificar isso, mas também de desenvolver um processo para seu desenvolvimento. Eu decidi focalizar um ponto importante e persistente de minha vida.

Sendo eu uma mulher de quarenta anos, solteira, aprendi muito bem como "ser" e "fazer" independência. Cheia de trabalho entusiasmante, com amigos queridos e uma família encantadora, minha vida é realmente boa. Na verdade, abençoada. Também sei que o relacionamento íntimo faz parte do caminho de minha vida, e até agora não tive muito sucesso em minhas relações com os homens. 

Muitos anos de terapia, trabalho corporal e processos de PNL proporcionaram-me discernimento e compreensão de minhas ações e escolhas auto-sabotadoras. Consistentemente, sinto emergir uma recorrente necessidade de equilibrar a força, o poder e a velocidade de meu Ego independente com meu desejo de alcançar uma conexão íntima. Como posso alcançar os resultados que desejo num relacionamento de compromisso?

Intelectualmente, eu sei que posso equilibrar essas duas necessidades diferentes - minha individualidade e um relacionamento estável. Processos úteis de PNL, tais como Ressignificação Espacial e Transformação Essencial aprofundaram minha consciência das intenções positivas dessas duas importantes partes interiores. No entanto, embora estando consciente disso, meu comportamento não mudou. O que significam toda essa ambivalência, conflito interior e perplexidade? 

Agora, reconheço que minha incapacidade de estabelecer relacionamentos íntimos com os homens foi afetada por uma falta de modelos e estratégias de sucesso sobre como equilibrar a liberdade e a conexão.

Os modelos que tive em minha vida demonstraram claramente o que não funciona num relacionamento. Algumas vezes, já testemunhei de que maneira se pode ser "engolido" por um companheiro e desistir de si próprio. Outras, ficou claro para mim que os relacionamentos podem ser arruinados por um desejo insaciável de auto-expressão. Quem poderia me ensinar a equilibrar com felicidade e sucesso a liberdade e a conexão nos relacionamentos íntimos? 

Durante aquele treinamento intensivo de um mês, eu aprendi com os especialistas - pessoas que permanecem num relacionamento íntimo feliz por mais de 10 anos. Agradeço aos três homens e às três mulheres que com tanta prontidão partilharam comigo suas histórias, seus triunfos e suas fragilidades, pela confiança e pelo ensinamento.

Com base em meus modelos, estou convencida de que agora posso praticar a maneira como alcançar tanto a liberdade como a conexão num relacionamento. A descoberta da confiança é um presente que vai além de qualquer palavra, e será plenamente recompensada por minhas ações. Agora, tenho a honra de partilhar com vocês, aqui, esse conhecimento e um modelo.

Sobre Modelagem.

Em PNL, a modelagem é um processo para aprender como ser excelente. Sem dúvida, a modelagem é a base concreta da PNL. As habilidades de PNL que usamos com tanta eficácia foram originalmente modeladas de especialistas como Virginia Satir, Fritz Perls, e Milton Erickson. Os inovadores modernos da PNL desenvolveram processos para alcançar a excelência através da modelagem daquilo que outros fizeram e que funciona.

Especificamente, a modelagem envolve a identificação de uma área de excelência, depois eliciar as estratégias do especialista sobre como alcançar essa excelência. Depois de juntar os "como fazer", o aprendiz pode então tentar os enfoques para encontrar a melhor maneira. Estratégias claras que se alinham com capacidades, crenças, valores, e identidade podem mais prontamente impulsionar o aprendiz para a ação.

Este Modelo de Relacionamentos

O modelo de equilíbrio entre a liberdade e a conexão nos relacionamentos íntimos têm três partes: as pressuposições subjacentes ao equilíbrio bem sucedido; modelos de níveis lógicos e metáforas sobre como o equilíbrio é experimentado nos relacionamentos em geral; e um processo específico de movimentação em situações que requerem equilíbrio.

Pressuposições 

As filosofias, pressuposições, compreensão e crenças subjacentes aos seis modelos foram instrumentais na construção de minha confiança pessoal de que eu, também, posso equilibrar liberdade e conexão nos relacionamentos. Embora pareça óbvio, as pressuposições oferecem um tipo de clareza e solução que pode desaparecer em momentos de paixão e estresse da vida real. Essas afirmações servem de base para construir um relacionamento e retornar aos valores partilhados no caso de conflito de relacionamento. 

· O equilíbrio é dinâmico e mutável. Eu apresento esta pressuposição com base em minha própria busca de equilíbrio na vida, e na de meus clientes. Reconheço que o equilíbrio é uma nominalização, uma coisa que, na verdade, é um processo. Equilíbrio não é um monumento estável, uma vez alcançado - sempre realizado. Nós conhecemos o sentimento de possuir equilíbrio, mesmo quando perdemos esse sentimento.
O equilíbrio é como estar numa gangorra. Imagine-se sentado naquela peça de madeira, subindo e descendo, com um amigo. Somente por um instante, vocês se encontram no meio, em equilíbrio. Assim, também, é o equilíbrio em nossas vidas. Podemos ter essa sensação cinestésica - e, sim, é isso! E com a mesma rapidez perder nosso equilíbrio novamente.
O significado do equilíbrio entre liberdade e conexão no relacionamento muda com o tempo, da mesma forma que equilíbrio, hoje, é diferente do que era há cinco anos. Ter equilíbrio no momento é diferente talvez de ter equilíbrio sempre. Nossa perspectiva, grande ou pequena, é que determina a maneira como sentimos o equilíbrio. Viver o equilíbrio é uma arte, um processo criativo e interminável.

· Falar é melhor do que calar. Falar sobre o que está na sua mente é preferível a ficar mudo, fechado, ou retirado em silêncio. Enquanto essas estratégias podem parecer uma saída fácil ou oportuna de uma situação de tensão, elas podem também contribuir para formar um hábito de não comunicação na melhor das hipóteses, e uma retirada hostil, na pior delas.

· Uma fantasia espera que seu companheiro seja um leitor da mente. Com relação à pressuposição acima, partilhar aquilo que você quer, mesmo que isso pareça óbvio, é mais eficaz do que pressupor que seu companheiro saiba o que você deseja. Conquanto você possa sonhar com uma relação na qual alguém o conheça tão bem que possa intuir cada um de seus desejos ou necessidades, esse sonho não é a realidade.
Todos nós temos nossas mentes e vidas ocupadas, confusas com detalhes sem importância, assim como temos nossas intenções de amor. Acabe com a confusão. Se você quer algo, diga-o.

· Uma expectativa realista é a de que seu companheiro não pode preencher suas necessidades. Outra fantasia com a qual todos nós crescemos é a de que nós somos como uma peça de quebra-cabeça à espera de um encaixe perfeito. Esse encaixe vai preencher todos os buracos na vida, vai atender todas as nossas necessidades. Essa crença é não somente uma fantasia, mas também uma fonte de contínuo desapontamento. Esperar que um companheiro preencha todas as suas necessidades pode ser sufocante, dilapidando a fase de lua de mel de uma nova relação, bem como sabotando uma conexão mais amadurecida. Razoavelmente, nenhuma pessoa pode preencher todas as nossas necessidades.

· Cada um dos parceiros deseja que ambos obtenham os resultados individuais desejados; as necessidades de cada uma devem ser respeitadas. Inerente à ao equilíbrio da liberdade e conexão está o desejo de cada parceiro de obter e realizar resultados individuais. Relações saudáveis envolvem não somente os resultados mútuos, mas também os limites saudáveis mantidos por resultados individuais que proporcionam realização pessoal e satisfação. Querer que a outra pessoa alcance aquilo que ela deseja demonstra generosidade de espírito, que é parte integrante de um equilíbrio saudável.

· Cada um dos parceiros sente prazer pelo prazer do outro. Uma das maiores alegrias no relacionamento é saber que a outra pessoa alcançou um resultado desejado. Uma recompensa inerente ao ato de manter constantemente o equilíbrio é celebrar o prazer um do outro.

· A confiança existe e é um valor partilhado. Esta pressuposição oferece um entendimento duplo. Primeiro, cada parceiro acredita que uma qualidade chamada "confiança" é possível e também que a confiança está presente no relacionamento. Os parceiros acreditam que a confiança é um pivô para o sucesso da própria relação.

· O relacionamento permanece ao longo do tempo se ambos contribuírem para isso e obtiverem ganho desse relacionamento. O sucesso da relação não pode apoiar-se nos esforços de apenas uma pessoa. Ambos os parceiros contribuem para que ela funcione, através da prontidão em dar e receber algo dessa relação. Dependendo de cada um, essa contribuição e ganho podem ser calculados de maneira diferente. Em um momento particular, um dos parceiros poderá estar ganhando mais do que dando. Voltando atrás para obter uma perspectiva mais ampla ao longo do tempo, reconheça que esse parceiro pode ter contribuído mais em outras ocasiões, obtendo uma espécie de equilíbrio geral. Cada um dos parceiros tende a ter um sentido de quanto capitalizou ao longo do tempo.

· Os parceiros procuram obter acordos claros a respeito dos aspectos relevantes da vida que devem ser partilhados e daqueles que devem ser separados. Esses acordos muitas vezes estão centralizados em três aspectos da vida: dinheiro, amigos e filhos de relacionamentos anteriores. Através da comunicação daquilo que se deseja e deixando bem claro o que pode ser partilhado e o que deve ser separado, os parceiros evitam a ambigüidade, têm menos pressão a respeito de leitura mental e evitam ferir seus próprios sentimentos.

· O respeito não impede a discordância. Um relacionamento de sucesso e equilibrado deixa espaço para a discordância respeitosa, bem como para o acordo respeitoso. O respeito é a condição necessário no relacionamento, enquanto o acordo contínuo não é.

· As qualidades que desejo para mim mesmo de um relacionamento são as mesmas que desejo para meu parceiro; se for bom para mim, será bom para ele. Se você está desejando alguma coisa da relação ofereça essa qualidade também ao seu parceiro. Por exemplo, se você quer ir jantar e ir ao cinema com as meninas, não reclame quando ele tem um jogo de poker com os meninos. Se você quer que ela partilhe de sua paixão, esteja preparado para partilhar a dela.
De modo geral, a liberdade e conexão equilibradas envolvem a capacidade de entrar na Terceira Posição e utilizar a perspectiva do Observador, para perceber os padrões. A generosidade de espírito cria conexão e dá espaço para que ambos os parceiros vivam o melhor de seu amor. 

Metapadrões e Metáforas sobre o Equilíbrio

Durante o processo de modelagem, foram descritos diversos padrões sobre o equilíbrio da liberdade e da conexão no decurso de um relacionamento. Mais do que reduzi-los a seus elementos comuns, eu partilho os diferentes padrões e metáforas. Essas abordagens podem inspirar você a adotar uma delas, ou inovar à sua própria maneira.

· Maré vazante e maré enchente. Ao longo dos anos, o relacionamento assemelha-se a dois rios que às vezes correm separadamente e depois se juntam novamente, entrelaçando-se. Essa maré vazante e enchente de caminhos paralelos e entrelaçados continua ao longo do mapa do relacionamento. Lembre-se de que o mapa pode ser bem diferente do território.

· Centro e Raios. O equilíbrio de uma relação também pode assemelhar-se a uma antiga roda de vagão ou a um mapa mental. Com o parceiro no centro, os outros elementos da vida, tais como a carreira, as finanças, a saúde, a espiritualidade, os amigos, o lazer, outra família, e o crescimento pessoal formam os raios do relacionamento. O equilíbrio envolve a consideração dos diferentes elementos da vida à luz do relacionamento, criando tanto a conexão como a liberdade para otimizar cada um desses elementos.

· Limiar. Outra metáfora sugerida pelo equilíbrio seria a de que grande parte de um lado da equação do equilíbrio ultrapassa o limite e atinge o outro lado. Por exemplo, excesso de conexão (vamos fazer todas as nossas compras juntos) pode ser bom por algum tempo. Depois de um período, um dos parceiros pode passar do limiar e procurar liberdade imediata ("você pode ir; eu vou ficar aqui e ver o jogo").
De modo semelhante, o excesso de liberdade reclama conexão. Um dos parceiros pode gostar de jardinagem, enquanto o outro não gosta. Depois de um período de tempo sozinho na jardinagem, ele poderá tomá-la pela mão e dizer-lhe: venha ver o que está brotando agora. Períodos de separação pedem a partilha de experiência.

· Senso de eqüidade. Depois de um longo prazo de relacionamento, cada um dos parceiros adquire um senso de justeza em relação ao compromisso. Não que cada um fique calculando: "Agora é minha vez!" Ao invés disso, da posição de Observador, ele/ela sente a hora apropriada de atuar. Diversos modelos apontaram uma qualidade de reflexo. "Na última mudança, ela escolheu a casa. Fazia sentido. Ela ficava mais lá. Agora, os papéis se inverteram e nós combinamos que vamos comprar a casa que eu gosto." Inerente a este equilíbrio está a pressuposição de ter prazer com o prazer do outro.

Um Processo Específico para o Equilíbrio.
Este processo foi desenvolvido com base em histórias reportadas pelos seis modelos, mais dois participantes que testaram o modelo baseados em sua própria experiência de relacionamento íntimo duradouro. Eu realmente não observei o comportamento dos modelos com os seus parceiros, portanto o processo foi desenvolvido com base em um processo interativo de contar a história e eliciar a estratégia.
Para melhor compreensão, o modelo foi dividido em três seções: abertura, exploração e fechamento. Como qualquer modelo, este processo sugere passos genéricos que podem ser corrigidos conforme apropriado em cada situação. O modelo é centrado em situações nas quais surge algum conflito entre as necessidades de conexão e liberdade dos parceiros. O processo também pode aplicar-se a outros contextos envolvendo diferenças.

· Abertura. Quando ocorre uma situação de conflito potencial, o primeiro passo é saber que você está enfrentando essa situação. Falar é melhor do que não falar, e existe a fantasia que espera que o seu parceiro seja um leitor da mente. O que pode ser tremendamente óbvio para você pode não estar claro para o seu parceiro. Ao invés de presumir que você partilha a compreensão de algo, faça suas observações, externe seus pensamentos e sentimentos.
Quando vocês dois reconhecerem a situação, verifique seu estado interior. Você está estressada? Sobrecarregada? Zangada? Triste? Excitada? Frustrada? Procure determinar se vocês dois estão prontos para prosseguir o processo. Talvez ambos possam beneficiar-se de sair da situação por enquanto e voltar ao assunto num momento mais adequado. Combinem uma hora e lugar para tratar da situação.
Se vocês estiverem prontos para continuar, concentrem-se. Respirem. Livrem-se o máximo possível da tensão e do estresse do dia e dessa situação. Reconheçam qualquer parte interior que esteja preocupada ou fazendo objeções. Este processo trata de todas as partes.

· Exploração. A fase de exploração do processo abrange sete passos. Você pode completar este processo em um único encontro ou prolongar a exploração no tempo. Siga sua intuição para saber como proceder melhor.

1. Na Primeira Posição, determine um resultado bem formulado. Tomando todo o tempo que for necessário, cada um desenvolve uma afirmação do que deseja nessa situação. Assegure-se de que as condições para uma boa formulação estão presentes: formule o resultado desejado na forma positiva, para que ele fique dentro de seu controle (não dependente das ações de seu parceiro), estabeleça-o de forma apropriada, a fim de que seja viável, esquematize claramente de que maneira você vai saber que o atingiu, com os contextos específicos e uma avaliação do que acontecerá quando você o tiver obtido. Faça a verificação da ecologia com todas as partes que podem objetar o resultado desejado. De que maneira, se houver, o resultado desejado poderá apresentar problemas? Faça a ponte ao futuro com o resultado desejado. Como será a vida para você e para o seu parceiro com este resultado desejado?
2. Comunique ao seu parceiro o resultado desejado. À medida que você informa o resultado desejado e ouve o de seu parceiro, use suas habilidades de rapport em PNL. Focalize-se em notar e eliciar dados sensoriais específicos, o ritmo, os retrocessos e ouça sem uma agenda. Seja curiosa.
3. Vá para a Segunda Posição. Experimente o resultado desejado por seu parceiro na Outra posição. Faça a ponte ao futuro como seu parceiro. Como será o futuro, como seu parceiro, com o resultado desejado por ele?
4. Volte para a Primeira Posição. Note qualquer mudança ocorrida em suas prioridades pessoais e seu futuro desejado, resultantes de sua entrada na Segunda Posição. Compare com as experiências de sua ponte ao futuro.
5. Entrem ambos na Posição do Observador. Depois, vão para a Terceira Posição e observem a situação à luz de todo o conhecimento acumulado. O que cada um de vocês fica sabendo, agora, ao observar essa situação daí? Dessa posição, criem alternativas e ressignificação sobre a maneira como a situação pode ser resolvida. Escolham uma das alternativas.
6. Voltem para a Primeira Posição. Experimentem a alternativa escolhida e façam a ponte ao futuro. O que vocês notam?
7. Movam-se entre a Posição do Observador e a Primeira Posição para experimentar as diferentes alternativas. Voltem para o Observador para partilhar o que aprenderam à medida que experimenta as diferentes opções para resolver a situação. Continuem esse processo até que ambos esteja prontos para entrar no Fechamento.

· Fechamento. Completar o processo envolve pelo menos três saídas possíveis. Você pode descobrir mais, à medida que aplica este processo. Eu adoraria saber o que vocês aprenderam.

1. Saiam e tentem novamente mais tarde. Se as partes criativas de vocês dois chegarem a um fechamento momentâneo e vocês não tiverem resolvido a situação, vocês podem concordar em fechar agora. Certifique-se de que você está seguindo o seu parceiro, e não fazendo leitura mental. Estabeleçam um momento para tratar do assunto novamente. Convide seu inconsciente para continuar a criar opções para resolver a situação, mesmo antes de vocês se encontrarem novamente.
2. Pese a intensidade daquilo que deseja. Durante um relacionamento de longo prazo, pode-se descobrir que um dos parceiros deseja mais intensamente o seu resultado do que o outro. Se assim for, procure perceber o que seria a vida se cada um de vocês renunciasse ao resultado desejado. Teste. O que acontece, então? Talvez você descubra que o parceiro cujo desejo de alcançar o resultado é menos intenso poderá deixá-lo escapar. Observe a experiência da outra pessoa enquanto ela desiste do resultado. Você até pode não concordar com o resultado desejado. Seja um Observador. Talvez você descubra que poderá sentir prazer com o prazer da outra pessoa. Talvez você possa obter dados para o futuro, à medida que testemunha seu parceiro deixando de lado o resultado desejado.
3. Funciona. Uma ou mais das opções pode ser simplesmente correta. Funciona para você. Funciona para seu parceiro. Funciona para os dois. Façam um acordo sobre suas ações mútuas. Agradeça o seu parceiro, e agradeça tanto o seu próprio inconsciente criativo como o de seu parceiro, por facilitar o processo até chegar a essa conclusão satisfatória.

Cada um desses três pontos de saída requer sua observação constante. Quais são as conseqüências de sua ação ou falta de ação? Que dados percebidos nesta situação podem ser aplicados à medida que surgem novas situações? O que você aprendeu sobre como equilibrar liberdade e conexão em seu relacionamento? (veja o quadro-resumo abaixo).

No Mundo

Como mencionei acima, estou encantada e cheia de gratidão pela imensa claridade, confiança e solução que experimento agora, quando penso sobre meu próprio ato de equilibrar. Com um senso renovado de prazer, eu imagino meu futuro, vivendo ambos, tanto meus resultados individuais e os resultados mutuamente desejados com um parceiro.

Com um conjunto de pressuposições, metáforas sobre o quadro geral do equilíbrio no relacionamento, e um processo específico para orientar as relações potencialmente tensas, estou pronta para comprometer-me no mundo da intimidade de uma maneira nova. Desejo o mesmo para você. Juntos, podemos modelar novas formas de excelência e continuar a crescer com o poder da PNL. E que sua individualidade fortaleça o seu amor.

Como Master Practitioner em PNL, Orientadora Certificada, e Ph.D. em Estudos Humanos e Organizacionais, Linda Tobey tem ajudado inúmeros pessoas a desenvolver seu potencial máximo. Seu livro The Integrity Moment está permanentemente sendo editado. Ela pode ser encontrada no fone 301/215-9030 ou O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..

Tradução Hélia Cadore
Anchor Point,(www.nlpanchorpoint.com) Dezembro, 1999.
Publicado no Golfinho março/2000 nº 62

Institutos de PNL       Profissionais de PNL       Cursos de PNL
Você está aqui: Home RELACIONAMENTOS O equilíbrio entre a liberdade e a ligação nas relações íntimas